Archive | October, 2010

Equipe Pêra – Bianca Yarck e Bruno Dias

27 Oct

Nossa equipe desenvolveu três novos sistemas, dois focados na reutilização do material dos fogões através da reciclagem, e um que visa a ampliação do ciclo de vida do produto através de reuso e de usos alternativos. Abaixo mostraremos os System Maps, que estariam integrados com o restante do sistema já existente. Todos os sistemas desenvolvidos demandam redesign do fogão.

Este sistema propõe a captação de informações com a comunidade, os profissionais de design e com o próprio pessoal da Whirlpool. Essas informações estariam disponíveis a todos os consumidores Whirlpool e auxiliariam no uso otimizado do produto (poderia se expandir para toda a linha branca, por exemplo), em possibilidades de reuso e em sugestões de usos alternativos para o produto ou partes dele.

Este outro sistema inclui associações locais no processo de reciclagem da Whirlpool. Os agentes de reciclagem seriam instruídos pela empresa a coletar os fogões usados e desmontá-los adequadamente. As peças recicláveis seriam enviadas para a empresa, sendo recicladas e utilizadas em novos produtos, e as demais peças poderiam ser encaminhadas a outros destinos de reuso.

O último sistema seria uma ampliação do sistema Viva, realizado pela Whirlpool. Como esse sistema só pode ser realizado em cidades-sede da empresa, assistências técnicas autorizadas seriam responsáveis por cobrir as demais áreas do país, coletando os fogões usados, desmontando-os e enviando as peças recicláveis novamente para a empresa.

Conversando com o Prof° Aguinaldo, selecionamos o Sistema de Informações para prosseguir nosso projeto. Associamos à ele a proposta de evitar erros duranto o uso do produto, utilizando os sistemas de Poka-Yoke.

O StoryBoard do sistema selecionado está ilustrado abaixo:

As idéias que tivemos em aula estão registradas no infográfico abaixo:

1.A boca é acesa com o uso do botão e do queimador, mas somente se houver o peso de uma panela sobre ela. Quando a panela é retirada, o fornecimento de gás é cortado e a chama se apaga. Enquanto o botão estiver ligado, a colocação da panela sobre a boca acenderá a chama novamente.
2.Timer onde é possível programar manualmente o tempo de cozimento dos alimentos. Quando o tempo acaba, o timer pode apenas emitir um sinal sonoro ou pode cortar o fornecimento de gás, apagando a chama.
3.Ampliação da variação de intensidade da chama, proporcionando aquecimento mais rápido quando necessário, ou economia de gás quando não é preciso muito calor.
4.Alteração no posicionamento dos botões e/ou identificação mais clara, para evitar o acendimento de uma boca que não será utilizada.
5.
5.Painel interativo com botões, como nos fornos de microondas, onde é possível escolher o tipo de alimento que está sendo preparado e as quantidades. O painel fornecerá um tempo estimado de cozimento que poderá estar integrado ao timer, emitindo sinais sonoros ou desligando a chama.
6.Criação de uma base de dados virtual e interativa (integrada a organizações já existentes ou proveniente apenas da própria empresa) com informações sobre as maneiras otimizadas de cozinhar os alimentos, alimentos saudáveis, orgânicos, que economizem energia no momento de preparar e que produzem baixo impacto ambiental durante sua produção. As informações estariam disponíveis a todos, mas poderia haver um sistema de cadastramento no momento da compra do fogão que possibilitasse ao usuário receber somente as informações que o interessam.
7.Propor fabricação integrada de uma linha de panelas com sensores térmicos no seu interior que ao entrar em contato com o alimento, indiquem se já está fervendo, evitando overcooking ou possibilitando a diminuição da intensidade da chama.
Foi realizado também um sketch para ilustrar como essas mudanças podem ser realizadas e localizadas no fogão, sem alterar significativamente seu design original.

Provocações

26 Oct

O fase de uso do fogão, seja pelo consumo energétcio, ou seja pelo perfil ambiental do alimento preparado é a fase que tem maior impacto ambiental no ciclo de vida do fogão. Nesse sentido, apresentamos abaixo algumas provocações para as equipes:

Como evitar isto o excesso de consumo de energia devido a queima de alimentos?

Como evitar o excesso de consumo de energia devido o overcooking?

Como tornar mais visível o impacto ambiental dos hábitos de cozinhar?

Como tornar mais visível o impacto cumulativo dos nossos erros diários no cozinhar?

Como tornar mais inteligente a escolha do mix de soluções de preparo de alimentos?

Como influenciar o comportamento para além da ecoeficiência energética?

Como influenciar as escolhas do perfil de alimentos?

Como utilizar energia do próprio usuário para apoiar as funções do fogão?

Como fazer com que os displays induzam comportamentos mais inteligentes no cozinhar?

Como ampliar o grau de comunicação do fogão com o usuário através dos vários sentidos humanos?

Como permitir o maior ajuste entre o cozimento e a efetiva demanda?

É possível miniaturizar etapas do cozinhar?

 

 

Equipe Maçã | Ana Morgenstern, Erika Hegenberg, Nicole Soldi

26 Oct

O conceito da equipe Maçã baseia-se no uso da modularidade para permitir que o usuário aumente o nível de ecoeficiência de seu fogão na fase de uso.

A ideia-base surge a partir da possibilidade de múltiplas configurações do fogão através da seleção de módulos, a fim de tornar economicamente viável o alcance de níveis mais elevados de ecoeficiência. Pode ser feita de forma gradativa, ao longo do ciclo de vida do produto.

Abaixo algumas das ideias discutidas pela equipe:

módulo sensor de peso

 

módulos de eficiência térmica e energética

 

módulo de cozimento a vapor

 

módulo de inteligência de cozimento

 

Há ainda a possibilidade de envolvimento de produtores/designers locais, tanto na produção como no desenho de peças para os módulos. Desta forma, impacta-se as dimensões econômica e social da sustentabilidade -integração de atores locais.